Utilize o campo abaixo para pesquisar obras por título ou código de identificação:

Selecione uma ou mais características para filtrar a sua pesquisa.

CD010 - Páginas desmembradas de cadernos – Acervo do Museu Nacional de Belas Artes – 1901 a 1918


Assinatura

Procedência

Coleção Tobias d’Ângelo Visconti
2003 – Coleção Tobias Stourdzé Visconti
2005 – Doado ao Museu Nacional de Belas Artes

Localização Atual Comentários

Este não é propriamente um caderno e sim, um conjunto de páginas desmembradas de diferentes cadernos, todas pertencentes ao acervo do Museu Nacional de Belas Artes, do Rio de Janeiro.
Nas páginas 004 e 005 Visconti desenha um lampião do antigo Cais Faroux, na Praça XV de Novembro, eam agosto de 1901. Visconti voltaria à Praça em setembro para desenhar o mesmo lampião [D850].
No mesmo ano e no seguinte, desenha esboços do que seria a capa do Annuário Fluminense (páginas 007, 008 e 009), cujo desenho definitivo está na obra [A841].
A página 011 apresenta um estudo de selo, cujos projetos definitivos de Visconti foram vencedores do concurso aberto pelos Correios em 1903. Apresenta também um primeiro esboço do que seria o ex-libris da Biblioteca Nacional [A803].
Em diversas páginas, Visconti esboça diferentes animais e nas páginas 18, 20, 33, 36 e 37 registra no interior da França, em 1918, prisioneiros alemães no campo, durante a Primeira Guerra Mundial, trabalhando na colheita do trigo.
Na página 27 está esboçada uma residência em Saint Hubert que seria também objeto de duas pinturas a óleo de Visconti, a [P445] e a [P426].
À página 38, Visconti faz anotações sobre medidas e detalhes da mesa diretora da então Câmara Federal, no Palácio Tiradentes, com o objetivo de executar o grande painel representando a assinatura da Constituição de 1891 [P701].
Dentre essas páginas desmembradas encontra-se também um pequeno diário de Visconti (não reproduzido aqui), registrado no período em que executava as pinturas do foyer do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Neste diário Visconti relata passagens que vivenciou durante a primeira guerra, como por exemplo quando se viu na obrigação de enrolar seus trabalhos e painéis e se refugiar em Le Mans.
Por ocasião de sua tese de doutorado Les Artistes Bresiliens et “Les Prix de voyage en Europe” A la fin du XIXe siècle: vision d’ensemble et etude approfondie sur le peintre Eliseu d’Angelo Visconti (1866-1944) U. F. R. d’Histoire de l’Art et Arqueologie, Pantheon Sorbonne, Université Paris I, Paris, 1999, a historiadora e pesquisadora Ana Maria Tavares Cavalcanti traduziu e interpretou todos os relatos que Visconti deixou nos cadernos que hoje encontram-se no acervo do Museu Nacional de Belas Artes. Contando com a colaboração de Tobias d’Ângelo Visconti, filho do artista, esses relatos foram à época datilografados com comentários e fazem parte do acervo do Projeto Eliseu Visconti.

Páginas do Caderno

Obras Relacionadas