Utilize o campo abaixo para pesquisar obras por título ou código de identificação:

Selecione uma ou mais características para filtrar a sua pesquisa.

P155 - Mãe


Assinatura

Procedência

1978 (maio) – Leiloada pela B-75 Concorde Galeria de Arte, Rio de Janeiro.

Localização Atual Exposições Coletivas Comentários

Com o nascimento de seu filho Tobias, em 30 de julho de 1910, Visconti cria algumas composições em que retrata o relacionamento entre a mãe e o bebê [P106; P149], sendo que, em pelo menos duas delas durante a amamentação. Nesta de grande formato, em que Louise usa um chapéu de aba larga, a cena parece ambientada na varanda da casa que Visconti construíra em Copacabana, e para onde a família se mudou naquele ano. A única imagem encontrada desta pintura é a reproduzida na página 35 do jornal O Globo, de 26 de maio de 1978, acompanhando a notícia do leilão que seria realizado no Golden Room do Copacabana Pálace, que termina com a nota: “… a peça que mais se destaca em toda a coleção é, certamente, o óleo sobre tela “Mãe”, de Eliseu Visconti. Fernando Andrade cita o crítico Cláudio Teixeira, que afirma ser essa obra uma espécie de marco da pintura brasileira. O quadro, que é também o de maiores dimensões desse leilão, 1,35 x 1,05 m, tem seu valor calculado em torno de Cr$ 1 milhão”.

Na 18ª EGBA, de 1911, sob o nº 104, foi exposta uma pintura com este título, comentada por Raul Pederneiras, no Jornal do Brasil: “… nessa tela soberba de verdade e de expressão, onde a figura de uma mulher amamentando o filho vibra e palpita com muita verdade e muito sentimento.” Da mesma forma, na Exposição Individual na Galeria Jorge, em 1920, sob o nº 7, quando foi destacada pelo Jornal do Commercio: “Outro quadro que tambem apresenta um difficil problema de luz e de côr, é o denominado ‘Mãe’ em que dominam cambiantes de branco, e que é um dos que tambem mais têm attrahido os visitantes.”

Infelizmente os dois comentários não descrevem mais detalhadamente a cena e, sendo assim, não se pode ter certeza a qual composição de mesmo título e tema eles se referem. Porém, pela menção do difícil problema de luz, e principalmente, pela comparação com outras obras conhecidas de Visconti, que estão marcadas com o mesmo valor de venda (5.000 fr.), manuscrito no catálogo da exposição de 1920, do acervo do Projeto Eliseu Visconti, no qual o mesmo preço é sempre marcado para obras de dimensões bastante semelhantes, pode-se concluir, que em 1920 o quadro exposto era P149. Já em 1911, existe uma forte chance de ser este de maior dimensão, no qual a mãe se apresenta quase de corpo inteiro, e portanto tem uma presença mais marcante.


Obras Relacionadas