Utilize o campo abaixo para pesquisar obras por título ou código de identificação:

Selecione uma ou mais características para filtrar a sua pesquisa.

P149 - Mãe


Assinatura

Localização Atual Exposições Individuais Publicações Comentários

Uma cena do cotidiano do pintor, em que sua esposa amamenta o filho pequeno, Tobias, enquanto lê uma revista e mexe o conteúdo de uma xícara. A luz chega forte do alto e de trás, iluminando bem a revista e deixando totalmente nas sombras apenas o rosto da jovem mãe. Na 18ª EGBA, de 1911, sob o nº 104, foi exposta uma pintura com este título, comentada por Raul Pederneiras, no Jornal do Brasil: “… nessa tela soberba de verdade e de expressão, onde a figura de uma mulher amamentando o filho vibra e palpita com muita verdade e muito sentimento.” Da mesma forma, na Exposição Individual na Galeria Jorge, em 1920, sob o nº 7, quando foi destacada pelo Jornal do Commercio: “Outro quadro que tambem apresenta um difficil problema de luz e de côr, é o denominado ‘Mãe’ em que dominam cambiantes de branco, e que é um dos que tambem mais têm attrahido os visitantes.”

Infelizmente os dois comentários não descrevem mais detalhadamente a cena e sendo assim, não se pode ter certeza a qual composição de mesmo título e tema eles se referem. Porém, pela menção do difícil problema de luz, e principalmente, pela comparação com outras obras conhecidas de Visconti, que estão marcadas com o mesmo valor de venda (5.000 fr.), manuscrito no catálogo da exposição de 1920, do acervo do Projeto Eliseu Visconti, no qual o mesmo preço é sempre marcado para obras de dimensões bastante semelhantes, pode-se concluir, que em 1920 era este o quadro exposto. Já em 1911, existe uma forte chance de ser o P155.

Porém, certamente, é esta a pintura citada por J. Paulo M. da Fonseca, em 1967: “uma mulher amamentando, uma cena que poderia veicular-se adocicadamente, mas que, ao contrário, se expõe com uma veemência estupenda, um contraste de brancos (roupas) com a carnatura rosa do seio e do infante, enquanto que a face materna se esconde, ou melhor, se expressa numa sombra impositiva, todo êsse laconismo sublinhado pelo fundo de um verde-cinza, uma espécie de silêncio a permitir maior nitidez para a frase pronunciada”. Na Revista Abigraf, p. 24, foi reproduzida com o título Maternidade.


Obras Relacionadas

Fale Conosco