Utilize o campo abaixo para pesquisar obras por título ou código de identificação:

Selecione uma ou mais características para filtrar a sua pesquisa.

D707 - Bailarinas e Carlos Gomes – Cartão de transferência para o pano de boca do Theatro Municipal do Rio de Janeiro


Assinatura

Procedência

1942 – Museu Evocativo do Theatro – Doação do artista
1949 – Museu dos Teatros
2013 – Centro de Documentação da Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro

Localização Atual Exposições Individuais Exposições Coletivas Publicações Comentários

Visconti executou onze desenhos em papel, de maiores proporções, para as diversas partes do pano de boca [P711], que seriam utilizados como cartões de transferência para a grande tela. Carlos Gomes ocupa lugar de destaque na alegoria do pano de boca e na descrição que Visconti faz desta etapa do grande desfile de celebridades: Mais perto do nosso tempo, e, pois, representando um período moderno, acham-se D. Pedro II, não o Imperador, mas o homem culto e despido de ostentação, que protegeu institutos literários, que animou o talento de seus compatrícios e concorreu para a educação dos artistas e que, por destino do nascimento, governou um povo fazendo timbre de sua índole democrática; Pedro Américo e Vítor Meireles, as primeiras constelações de nossa pintura cultivada; José de Alencar, representando o drama e o romance; Furtado Coelho, a arte dramática moderna; Almeida Júnior, a pintura moderna, e Francisco de Oliveira Passos (o único vivo aí representado) como arquiteto do Teatro Municipal, o mais suntuoso monumento público levantado na era do ressurgimento da cidade. Essa reunião de celebridades aclama e leva em triunfo a Carlos Gomes, o maior músico que o Brasil possui dentro de nossa época de formação nacional.
Com o sentimento de preservar para o olhar das futuras gerações o detalhado processo criativo de suas decorações, Eliseu Visconti doou para o governo do então Distrito Federal, em 1942, este e os principais estudos originais realizados para a confecção dos painéis do Theatro Municipal. Para abrigar as obras doadas, foi criado pelo prefeito o Museu Evocativo do Theatro, que mais tarde, em 1949, daria origem ao Museu dos Teatros. Em 17 de outubro de 2013 foi oficializada a transferência do acervo do Museu dos Teatros para a Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro que, através de seu Centro de Documentação, passou a abrigar todos os estudos doados por Visconti.


Obras Relacionadas

Fale Conosco