Utilize o campo abaixo para pesquisar obras por título ou código de identificação:

Selecione uma ou mais características para filtrar a sua pesquisa.

P730 - Instrução (Solidariedade Humana) – Painel da Biblioteca Nacional


Assinatura

Inscrições

Junto à assinatura: "Rio 1910"

Localização Atual Publicações Comentários

Ao final dos anos 1900, Visconti foi chamado para participar da decoração do suntuoso prédio público da Biblioteca Nacional, ao lado de Henrique e Rodolpho Bernardelli, Modesto Brocos, Correia Lima e Rodolpho Amoedo. Visconti parece ter-se preparado e estudado bastante o tema que lhe foi conferido, pois dedica um caderno [CD011] a pesquisas, pensamentos, textos e pequenos esboços preparatórios para os dois painéis de sua autoria, “Solidariedade Humana” e “O Progresso”. A sede atual da Biblioteca Nacional, cujo projeto em estilo eclético é assinado pelo engenheiro militar Sousa Aguiar, foi inaugurada em outubro de 1910, na Avenida Central (hoje Rio Branco), Rio de Janeiro. Segundo o Jornal do Commercio, de 1º de setembro de 1910, os mestres pintores, entre eles Visconti, achavam-se naquela data ocupados com as encomendas da Biblioteca. No Relatório Annaes da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, 1911, Manoel Cícero Peregrino da Silva conta que ele próprio escolheu os assuntos e os artistas que deveriam executar os painéis: “Os que ficaram na Galeria são do pincel de Elyseo Visconti e representam a Solidariedade Humana e o Progresso [P729]”. No Painel Solidariedade Humana, também chamado de Instrução, observa-se uma roda, harmoniosa e serena, de personagens que carregam diversos símbolos das Artes, da Sabedoria e da Justiça, enquanto uma figura feminina central, num plano mais alto, de braços abertos irradia ondas luminosas que se espalham para o alto.

Segundo Ana Heloísa Molina, historiadora e pesquisadora da obra de Visconti, os dois painéis, encomendados para figurarem em um espaço público dotado idealmente de todas as virtudes e valores relativos à elevação humana, registram os pressupostos filosóficos da formação profundamente humanística do pintor. Neles transparece a ideia de que Eliseu Visconti traduziu em ritmo e cores os temas da Solidariedade Humana e do Progresso, caracteres de viés social indissociáveis da ideia de moderno naquele momento histórico. Visconti realizou um estudo preparatório [D759] para o grande painel Solidariedade Humana, no qual é possível ver vários elementos simbólicos que foram modificados na composição final. A Biblioteca Nacional guarda os esboços que Visconti realizou para os seus dois painéis, em pastel sobre papel [D701; D702].


Obras Relacionadas