Utilize o campo abaixo para pesquisar obras por título ou código de identificação:

Selecione uma ou mais características para filtrar a sua pesquisa.

P953 - Flores


Assinatura

Procedência

1927 – Doação de Eliseu Visconti a Assis Chateaubriand
Coleção Raul S. de Carvalho Junior e Antoinette Assife de Carvalho
1967 – Doação ao MASP

Localização Atual Exposições Coletivas Publicações Comentários

Durante a revolução constitucionalista de 1932, o jornalista e empresário Assis Chateaubriand, além de ver retirados de circulação sua revista e seus jornais, foi preso e teve sua residência em Copacabana, conhecida como Vila Normanda, invadida e saqueada. Ao saber do fato, o mecenas não se importou tanto com a pilhagem das pratarias e do dinheiro, mas lamentou profundamente o sumiço de obras de arte, dentre as quais três telas de Eliseu Visconti. Cinco anos antes o artista havia doado quatro telas suas para a coleção de Chateaubriand, colaborando assim com os primeiros esforços do empresário para criação de um museu de arte em São Paulo. Chateaubriand passaria algum tempo tentando localizar essas obras e o MASP (Museu de Arte de São Paulo) seria criado somente em 1947. E de acordo com artigo do próprio Assis Chateaubriand publicado no Correio Braziliense, de 10 de novembro de 1967, somente vinte anos depois surgiria a primeira tela roubada, Flores, denominada no artigo de “Bouquet de Rosas”. A tela estava há alguns anos na galeria de Antoinette Assife de Carvalho e foi reconhecida pela filha de Visconti, Yvonne, como sendo uma das que fora doada pelo artista a Assis Chateaubriand em 1927.  D. Antoinette, que havia comprado a peça, ao saber de sua origem, apressou-se em doá-la ao MASP, tornando-se madrinha da tela.

Nos arquivos do MASP, há uma fotografia na qual aparece essa pintura emoldurada sobre um cavalete, em cujo verso se lê: “O casal Raul S. de Carvalho Junior e Antoinette Assife de Carvalho ladeia o Sr. Assis Chateaubriand durante a cerimônia de batismo do quadro ‘Trepadeira em Flor’, de Eliseu Visconti, que doou ao Museu de Arte (7/11/1967).” Este título seria mais apropriado à obra, que bem poderia ser o registro detalhado da trepadeira que serve de fundo para Carrinho de criança [P418]. No entanto, ficou registrada no museu apenas como Flores, título que aparece no catálogo da 30ª Exposição Geral de Belas Artes. Nos catálogos de 1998, p. 52 e 2001, p. 108, a obra foi reproduzida tendo por base o lado direito, mas a posição correta pode ser observada a partir da assinatura e da foto de 1967.


Obras Relacionadas

Fale Conosco