Utilize o campo abaixo para pesquisar obras por título ou código de identificação:

Selecione uma ou mais características para filtrar a sua pesquisa.

P103 - Minha família (A rosa)


Assinatura

Inscrições

A localidade "Rio", e a data "1909", logo abaixo da assinatura.

Procedência

Coleção Benjamim de Mendonça
Coleção Paulo Sérgio Leme da Fonseca
Coleção Agnaldo de Oliveira

Localização Atual Exposições Individuais Exposições Coletivas Publicações Comentários

Sempre muito discreto, Visconti guardara segredo, aqui no Brasil, sobre a existência de sua companheira e filha em Paris, como se pode concluir de carta escrita ao amigo Gonzaga Duque, em 23 de novembro de 1908, comunicando sua partida para Europa nos próximos dias e explicando o motivo de sua viagem: “Sou levado a esta resolução por motivo de meu sobrinho para collocal-o definitivamente”. Na verdade, depois de criar condições dignas para elas viverem no Brasil, empreendeu a viagem, talvez sem a certeza de que elas viriam. Porém, após concretizar na França o casamento, em 14 de janeiro de 1909, o pintor traz sua família para o Rio de Janeiro, chegando no final de fevereiro. Então trata de apresentá-las à sociedade brasileira, na linguagem que lhe é própria: na EGBA de 1909, exibe esse belo retrato das duas, com o título que valia por uma declaração. Existem pelo menos duas fotografias da família Visconti em seu atelier, ao lado desta obra, uma delas com a presença do pintor, provavelmente para registrar a sua conclusão. Dois retratos pintados por Visconti nesta época, certamente, serviram como estudos para essa obra [P113, P130].

A pintura foi recebida em 1909 com surpresa e admiração. O Jornal do Brasil (5 set.), que reproduziu uma caricatura do quadro, com a legenda “… pintada a confetti”, publicou num ensaio sobre a exposição: “um quadro de estylo Minha familia, de composição exotica, mostrando a segura technica dos tons e a segurança do colorido, predicados triviaes no seu temperamento de artista. […] é de uma feição propria, que indica um caracter pessoal do pincel e torna o artista vencedor na conquista dos effeitos e das tonalidades”. Segundo o Jornal do Commercio (7 set.): “A factura é ‘uma novidade’ só estranhavel para quem não souber que o Sr. Visconti não cessa de estudar, de investigar, de variar […] O effeito primordial da factura adoptada pelo pintor é o da rutilancia ambiente; ha alli uma irradiação; e a luz que envolve as duas figuras do quadro, parece ao mesmo tempo sahir dellas, sobretudo da criança formosissima que o Sr. Visconti deve adorar duas vezes, como pai e como artista”. Visconti aplicara no fundo deste retrato a mesma técnica usada nos painéis do teto da sala de espetáculos do Teatro Municipal, recém inaugurado.

Na Sala Especial da II Bienal de São Paulo, foi exposta com o título A rosa. Numa crítica à exposição Os Precursores, publicada em outubro de 1974, Gilda de Mello e Souza escreve sobre essa pintura: “quadro muito bonito que, à primeira vista, surpreende pela virtuosidade. O tratamento das vestimentas, a colocação admirável das figuras no espaço, sobretudo a frontalidade da menina, lembram demais Renoir. No entanto, se atentarmos bem para a fatura, percebemos que a realização do rosto não é impressionista. O modelado se prende antes aos ensinamentos da Academia, é unido, esmaltado, obtido através das gradações sutilíssimas do rosa. Eliseu não usou a pincelada partida, nem decompôs as cores, opondo as complementares; pintou segundo as regras tradicionais, limitando-se a estender por cima da tela já trabalhada, uma poalha de pontos coloridos, numa técnica que seria antes de Seurat.”


Obras Relacionadas

Fale Conosco