CR1907A - Carta de Francisco Guimarães a Visconti solicitando modificar o pano de boca – 11 de agosto de 1907

  • Tipo de Documento Correspondências - De 1901 a 1920
  • Ano 1907
  • Acervo Museu Nacional de Belas Artes - Rio de Janeiro

pags. 2 e 3
pags. 2 e 3

Ao concluir os trabalhos da sala de espetáculos do Theatro Municipal, Visconti realizou uma exposição em seu ateliê, em Paris, entre 20 e 28 de julho de 1907. Compareceram à abertura da exposição cerca de trezentas pessoas. Lá estiveram o ex-Presidente Rodrigues Alves, além de diversas personalidades brasileiras que se encontravam em Paris. Do mundo artístico, prestigiaram a mostra Helios Seelinger, Eduardo de Sá, Pedro Alexandrino e Rodolfo Chambelland. Visconti recebe com satisfação os elogios da crítica francesa, mas, antes de embarcar para o Brasil com seus trabalhos, sabe que sua obra sofreu pesadas críticas publicadas na imprensa do Rio de Janeiro, estimuladas por alguns brasileiros residentes em Paris, insatisfeitos com o que haviam visto no pano de boca: três figuras de negros participando da massa de populares que exaltam o grande cortejo histórico.

Dentre as pressões que Visconti sofreu para modificar o pano de boca, uma foi esta carta do Sr. Francisco Guimarães, mesmo personagem que intermediou através da carta CR1905 o convite de Francisco Oliveira Passos para Visconti executar as decorações do Theatro Municipal. Em trecho da carta aqui reproduzida, Francisco Guimarães escreve, de forma sutil, referindo-se à polêmica causada pela presença dos negros no pano de boca: “… Se algum remoto detalhe houver por acaso destoando das exigências meramente formalísticas, das convenções históricas ou sociais, estou certo de que não importará grande trabalho ou desgosto seu a sua eliminação ou alteração. Por que levantar uma tempestade em um copo d’água?” Visconti não alterou o pano de boca.