CT1900 - Catálogo da Exposição Universal – Paris – 1900

  • Tipo de Documento Convites e Catálogos
  • Ano 1900
  • Acervo Gallica - Biblioteca Nacional da França

Ainda em Paris como pensionista, vencedor que foi do primeiro concurso da República para bolsa de estudos na Europa, Visconti produz, em 1898 e 1899, importantes obras influenciadas pelos movimentos simbolista e art nouveau. Dentre elas a Gioventù, que se tornaria a obra mais enigmática e mais reverenciada do pintor, considerada por vários críticos como a Mona Lisa brasileira. Gioventù, com o título “Melancolia”, foi exposta na Exposição Universal de Paris, em 1900, juntamente com Oréadas, sendo as duas telas premiadas com a Medalha de Prata. Na mesma Exposição Universal, consagradora do art nouveau, Visconti receberia a Menção Honrosa na Seção de Artes Decorativas e Artes Aplicadas. Neste catálogo oficial da Exposição, à página 332, estão relacionadas as duas pinturas premiadas de Visconti.

No livro Chefs-d’Oeuvres of the Exposition Universelle (Obras primas da Exposição Universal) de WALTON, W.; SAGLIO, A. & CHAMPIER, V., Vol. VI. Philadelphia: George Barrie & Son, 1900, a tela Gioventù foi reproduzida à página 92  e as duas obras receberam o comentário a seguir (pág. 81, 82): Muito diferentes, e com um testemunho convincente da eficácia das escolas de arte nacionais, são as duas pequenas telas exibidas por Eliseu Visconti. Nascido no Rio de Janeiro, treinou apenas na Escola de Belas Artes daquela capital e, no momento, mora em Paris. Suas telas “Oreadas” e “Melancolia” têm um curioso e delicado sabor artístico que as tornariam perceptíveis em qualquer galeria. Sua jovem mística, de cor verde-oliva, sentada em um bosque sombrio e perscrutado pelos inquisitivos pássaros brancos, paira à direita de uma entrada em uma das galerias inferiores da Exposição Universal, e prende os passos do visitante mais apressado, se ele se detiver para apreciar algo que vale a pena. O júri concedeu a este pintor uma medalha de prata.