CR1930 - Carta de Manoel Santiago a Eliseu Visconti, enviada de Cauterets, França – 26 de agosto de 1930

  • Tipo de Documento Correspondências - Após 1920
  • Ano 1930
  • Acervo Museu Nacional de Belas Artes - Rio de Janeiro

Págs. 3 e 4

Manoel Santiago, de 1928 a 1932, morou em Paris em gozo da bolsa oferecida pelo governo brasileiro, vencedor que foi do Prêmio Viagem ao Exterior no Salão Nacional de Belas Artes de 1927. Esta é a quarta carta enviada a Visconti, mas não está completa, faltando página(s) do final. Ainda assim é interessante, pois Santiago informa ao seu professor sobre a sua “nova maneira de interpretar a natureza”, um novo rumo em sua pintura. Está transcrito a seguir o texto disponível.

 

26 – 8 – 1930

Meu caro professor Visconti.

Muitas saudades.

Tenho em meu poder a sua estimada carta de 6 de julho que nos foi remetida de Paris. Muito obrigado pelos seus conselhos, eles são ótimos.
Ainda continuamos em Cauterets, mais alguns dias, fazendo os tratamentos termais de Haydéa.
Pintamos algumas paisagens, não sei se elas agradarão aí, porém, os professores da Europa gostam muito mais desta nossa nova maneira de interpretar a natureza.
Se o Snr. estivesse aqui, é quem poderia dizer a verdade.
Eu estou convicto a seguir este novo rumo porque, é o que sinto. É mais simples e sincero.
Pinto sem ideias preconcebidas de impressionismo, ou outra qualquer escola e nem de cousas sabidas…Respeito muito os valores e mancho procurando dar volume às cousas. Sim, para não cair no defeito dos impressionistas que tudo perdiam na pesquisa da cor.
É difícil falar em pintura por carta, posso não me explicar bem, aguardo para quando encontrar o nosso bom professor.
Escrevemos há……………..

Fale Conosco