CR1894A - Carta de Rodolpho Bernardelli a Eliseu Visconti – 23 de dezembro de 1894

  • Tipo de Documento Correspondências - Até 1900
  • Ano 1894
  • Acervo Museu Nacional de Belas Artes - Rio de Janeiro

Durante o período de Visconti como bolsista da Escola Nacional de Belas Artes, o artista recebeu na Europa seis cartas de Rodolpho Bernardelli, à época Diretor da Escola. Esta é a segunda carta do conjunto que integra o acervo do MNBA. A pesquisadora e historiadora Ana Maria Tavares Cavalcanti é autora do texto intitulado “Impressões sobre o meio artístico nacional nas cartas de Rodolpho Bernardelli, Diretor da ENBA, a Eliseu Visconti, pensionista em Paris”, integrante da publicação “Histórias da Escola de Belas Artes – Revisão Crítica de Sua Trajetória”, Editora Nau, 2017. Entende a historiadora que a análise dessas cartas tem o que acrescentar ao conhecimento sobre o meio artístico brasileiro do final do século XIX. Para esta carta estão apresentadas as imagens dos originais das duas primeiras páginas, de um total de oito páginas. A íntegra da carta está transcrita a seguir.

Rio 23 de Dez. 1894
Amigo Visconti
Desejo-lhe boas festas e boa saúde e felicidade em arte.
Quem obteve o premio de viagem foi o Bento Barbosa e foi designado para Roma. Eu é que assim quiz!
Não admitti discussão apesar de que o Amoedo que conhece muito a Itália, dizer que aquillo não presta, que está em decadencia. Eu acho que tanto eu como o Henrique e o Belmiro lucramos bastante. O Bento sahiu-se bem e nos sorprendeu, o Fiúza pode desta vez obter o 2º lugar, quanto a composição, o Bento deixou-os a perder de vista, o assumpto era as crueldades de Bento Maciel Historia do Brazil. Enfim agora esta esperando que lhe dem o dinheiro e se elle tiver juizo poderá voltar artista completo.
Espero que terá aceitado os meus conselhos e que estará pensando em alguma cousa para sobresahir no Salão não só d’aqui como lá, aproveita seu tempo e atire-se a composição e pense no seu quadro grande de fim de pensão. é absolutamente necessário que apresente-se forte em tudo para esmagar com seu pincel estes criticos Cosmes – que não lhe pouparão desgostos. O amo está nas mesmas condições minhas. Leu os artigos do Cosme Laet pois eu não lhe dou importância e minha resposta será para o anno com o Caxias e Alencar.
Tenciono partir daqui em abril, tenciono deixar a Escola, prepare-se a soffrer o jugo do novo director jacobino que não poupará artistas que não tiverem sido nascido aqui (isto é franquesa?)
Faltara ao meu successor a grandeza de vistas e a nobreza d’alma, pelo que fez durante minha ausencia posso prever funestos dias para a Escola e para os moços. Cada um tem o que merece!
Acabou-se a Exposição que agradou bastante, está no numero[?] dos adquiridos o seu quadro No Verão, o Berna pediu mais dois anos, com o attestado unicamente do Ministro!! e eu informei sendo interpellado pelo governo que não conhecendo de perto os trabalhos d’esse pensionista, mas sabendo que tem mandado estudos, de nada podia prejudicar a sua estada na Europa….. Esse virá substituir o Bettencourt correcto e augmentado! Mas o diabo e elle ainda passar por nacional da gemma quando souberem que ellle é nascido em Genova, terá que se haver com o Cosme, só não o molestarão se não tiver talento e não for honesto, do contrário lhe acontecerá como a mim!
O Henrique foi para Theresopolis vae trabalhar preparar seu Salão e fugir da peste d’aqui. O Brocos também foi.
Estou ancioso de estar ahi, quero te lo como meu companheiro, temos recebido o Portfoglio, d’esta vez vierão dois do mesmo número, nº 9.
Recebi cartas do Felix, ele deve estar como um pássaro que mudou de gaiola, mas assim que tiver tomado pé, achar se há conforme é um pais muito pithoresco tem muita cousa para fazer a questão é saber tirar proveito.
Aconselho-o se o Inverno estiver frio a hir para a Hespanha e em lugar mais temperado. é preciso não deixar se galvanizar pela routina Franceza.
Tenho visto seu irmão e está bom, já se sabe admirado e indignado para ver como sou tratado em publico, mas elle não sabe o que é a vida artista, e isso mesmo na Europa seria ainda peor.
O Angelo vai começar seu novo Jornal para o mez, elle também pensa que agora é como antigamente! Verá, enfim, o que desejo é hir me embora.
Como vae o Raphael Frederico?
Agora que estamos com o governo civil e que pareceria que tudo deveria andar bem continuão os boatos e as proibisões[?] qual! descreio que possamos viver tranquilos e para o progresso d’este grande paiz.
O Decio positivista parece que vae começar o seu quadro da Epopea, em Rezende existe um fazendeiro, que se tomou de simpathia por este artista nacional que eu faço guerra! e offereceu-lhe sua casa lá lonje, onde lhe mandou preparar um atelier para poder fazer a sua grande obra…….. Chama-se Menezes este pobre desgraçado que vae acabar por sustentar o partido, associação, seja o que for, positivista que marrecos – viver as claras – e fojem! Viver para outrem! E vivem de outrem! enfim e ainda são victimas! que habilidade!
Pode ficar certo que teremos assumpto para rir, por isso desejo que faça, que faça essa obra de graça (com mais de 10 contos!)
Vou terminar aqui por hoje, vá trabalhando, e ponha na sua cabeceira a sua carta de nacionalisação, trabalhe para ser grande e independente o mundo inteiro é pátria do artista demora-se onde o tratão como merece; se o maltratão elle é Senhor de hir onde lhe parece!
Lembranças ao Frederico.
Até breve, desejo lhe mil felicidades e boas festas.
Seu amigo
Rod. Bernardelli

Fale Conosco