CR1905 - Carta de Francisco Guimarães comunicando a Visconti o convite para executar as decorações do Theatro Municipal – 16 de junho de 1905

  • Tipo de Documento Correspondências - De 1901 a 1920
  • Ano 1905
  • Acervo Museu Nacional de Belas Artes - Rio de Janeiro

CR1905 - PAG. 2Eliseu Visconti encontrava-se em Paris quando recebe o convite para executar as decorações do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O prefeito não o conhecia pessoalmente, mas já apreciava seus trabalhos, tendo pesado a favor de Visconti o fato de estar em Paris, acompanhando as inovações artísticas. A escolha do jovem artista para tão importante tarefa receberia críticas dos admiradores de artistas mais consagrados à época.
O convite formal viria por esta carta do amigo comum Francisco Guimarães, transcrita abaixo.

Rio, 16 de junho de 1905
Meu caro amigo e Sr. Visconti,
Sei por seu irmão que goza de excelente saúde, e, pelos jornais, que tem expostos dois belos retratos no Salon. Desejo-lhe mil venturas.
O Engº Francisco de Oliveira Passos, autor do projeto e construtor do Theatro Municipal, encarregou-me de escrever-lhe pedindo o seu auxílio na execução dessa obra que ele deseja que seja digna da bela capital que será o Rio de Janeiro. O teatro está se fazendo e cresce a olhos vistos, e vai ser um primor. O Passos diz e, com razão: a idéia principal é minha, mas quero que os artistas brasileiros dignos desse nome, liguem os seus nomes à obra. Perguntando-me quais eram na minha opinião os artistas capazes de decorar o Teatro, eu disse em presença de várias pessoas conhecidas, e mais tarde em minha casa: – Só conheço dois: o Visconti, em primeiro lugar, e o Henrique Bernardelli em segundo. – Mas o Visconti está longe. – Tanto melhor, está em Paris, refrescando e consolidando as idéias, vivendo enfim. Ninguém como ele trará melhores projetos. – Pois você está autorizado a escrever ao Visconti dizendo-lhe que venha e que traga já algumas idéias, porque eu vou incumbi-lo de decorações importantes para o Theatro.
Já comuniquei esta minha iniciativa ao seu irmão Ângelo, e hoje ao nosso amigo Vieitas, que ficou contentíssimo.
Está cumprida a minha missão e espero que será coroado de êxito, para bem da arte brasileira, da qual é o amigo ornamento brilhante. (…) Adeus. Até breve.

Disponha do (…) admirador e amigo,
Francisco Guimarães. Quitanda 85.

CR1905 - PAG. 3