CR1898 - Carta de Henrique Bernardelli a Eliseu Visconti – 19 de outubro de 1898

  • Tipo de Documento Correspondências - Até 1900
  • Ano 1898
  • Acervo Museu Nacional de Belas Artes - Rio de Janeiro

Henrique Bernardelli envia esta carta de dezesseis páginas manuscritas a Visconti quando este se encontrava em Paris por conta de sua bolsa de estudos. Cumprindo suas obrigações de bolsista, Visconti já havia executado e encaminhado ao Brasil vários nus femininos, apreciados por Bernardelli nesta correspondência, dentre os quais Fatigada [P311], Nu Deitado [P314] e Sonho Místico [P325]. Também interessantes acontecimentos da Escola de Belas Artes no Brasil são relatados por Bernardelli, que tinha o costume de espalhar pequenos e sugestivos desenhos ao longo de suas correspondências: Almeida Júnior, Félix Bernardelli, acidente com a “Batalha do Avaí”, venda de quadros, etc. são assuntos desta extensa correspondência, integralmente transcrita abaixo. À esquerda está reproduzida a primeira página manuscrita.

“Rio 19 outubro 1898
Estimado Visconti
Não sei quantas veses tenho comessado a escrever-te e, por uma ou outra cousa não poder concluir a carta, e passados alguns dias recomessar outra: vamos a ver se esta posso leva-la até o fim. Não são pocas as cosas que desejo falar-te, em primeiro lugar porem, vamos falar de teos novos envios e a impreção cincera que elle actuarão em mim, então lá vai; a tua palheta tem adiquirido mais robustez, é armoniosa nas diversas intonações que felismente sempre varia, não é pois o que mais te preocupa nos teos quadros, éres pintor pelo sentimento da cor, não éres tão facil na forma, sobre tudo no gosto da escolha da atitude, e ainda menos no corte dos teus quadros.
Tudo isto é apenas questão de gosto e educação, sem que prociga, já parece-me ler em teo espirito as reflexões que vais formando por estas minhas observações, que entenderá elle por atitude? não por serto poses academicas; não, tratando-se de um quadro em que esteja em jogo um sentimento, não é mister preocupar-se com atitudes. a cousa a alcansar é o sentimento porem, quando nos propomos juntar sem motivo outro que bellas formas, é preciso salhentar com vantagem essas formas pois que o assumpto é apenas um pretesto para pintar um modello, o talento pois neste caso está, em saber dar ao seo modello a melhor posição que as suas formas tenham vantagem, ora nas tuas quatro mulheres que succecivamente fostes mandando, são todas de bello colorido e bem ambientadas, a primeira, como um estudo, nada direi, bello tronco de costas sem pernas, das outras tres tomo a melhor que é ao meo ver a que mandastes o anno atrasado ou passado me parece.
Tem pedaços extremamente bem estudados, uma entonação muito soave, bella mesmo, e a cabeça muito bonita, mais …esta como as outras não estica as pernas com medo de que não caibão no quadro, estas duas últimas, uma lhe dobraste talmente as pernas que parece decepadas repito, em outra occasião que não foce para pintar um bello nu não havia rasão de criticas, o colorido é sempre novo de empreção e bello; a ultima, esta então não só não caberia na tella se esticace igualmente as pernas, mas a cabeça tambem, a qual por quereres tella dobrada (e imagino o pobre modello ), parece até não articular bem; eu se foce critico te faria uma pergunta bem humoristica, porque voce coloca os seos modellos tão sem jeito para dormir, esta ainda dorme num sofá que não se pode esticar, mas a outra deixou a cama la no fundo para vir dormir no chão; não vas dar o cavaco com estas minhas graças, felismente agora posso-te diser o que me parece sem ser officialmente.
O que de um lado, se perdestes esses cobres, ganhaste a tua endependencia e é agora que vais verdadeiramente luctar e faserte artista, que te possas aguentar la o mais pocivel, e se queres que eo te de um conselho de amigo, escolhe o sacrifício de faser quadros de comercio para serem vendidos aqui do que aqui vires, não te illudas, isto está aqui o mesmo sempre, em todo o caso se não poderes deixar de ca vir, vem com um bom numero de quadros que os possas vender para poderes voltar.
Eu, bem sabes porque estou aqui, para mandar a Europa a ti e outros, sacrificando-me, porem confeço que não posso mais, a coragem vae me faltando e vejo que terei que abandonar o Fofo nessa tremenda istatura mais creio que elle tambem não poderá resistir por mais tempo; até agora ele tem acariciado a esperansa de mudança de Escola, mas outra vez já não se fala mais, o que corre envez é que com o novo governo se suspendera a Escola, – foce verdade, como ficaria eo contente darmeia mais coragem de deixar de uma vez estas paragens, a velhice aqui me assunta, morrer como um cão sem dono, como o Muler, Motta, Chaves Pinheiro e outros que nem de leve se lembra a memoria, o Chaves graças ao Rodolpho elle tem uma estatua de bronze numa praça, o Gustavo que o Vasques o queria que o Rodolpho a fisece e elle poz a do seo mestre.
Falemos porem ainda uma palavra sobre a nossa exposição que para noz deve constituir o mais notavel acontecimento do anno.
Pelo catalogo que te envio poderás ver o numero que não foi poço, este anno tudo correo mais regularmente e bella muito melhor arranjada, e disposto do melhor aspecto, tu, tivestes um compartimento especial: houve porem a lamentar um encidente que ia custando a vida a um pobre carpinteiro que no armar a armação, caio machucando-se bastante fez um 7 na Batalha do Avaí; felismente não grande e facil a restaurar ambos os ferimentos, lamentei muito.
A inauguração foi bastante concorrida e o publico tem ido mais que os outros annos, é percistir que elle se acustumará.
O Almeida mandou uma grande tella muito grande mesmo para o assunto que era, com muitas boas intenções sobretudo o novo modo de encarar a coloração, abandonno o preto dos Caipiras Nagaceando; o motivo é tirado dos antigos paulistas que em bandos partiam para as novas descobertas e capturação dos pobres índios; elle immaginou pois, uma partida desses aventureiros que na margem do Tieté recebem a benção da canoas e iquipagem que vae partir; o tempo é coberto de neblina o que envolve o quadro num tom caliginoso, o sol porem, conquanto consiga a projectar umas fortes sombras não chega a colorir o immenso tão branco do gesso; nas canoas, uns recebem a benção do padre que da praia rodeado de [?] e outros que vem dar um adeos a parentes e amigos; outros estão dando a ultima demão aos preparativos.
O quadro é feito com grande e cincera honestidade e os progressos que o Almeida fez nesse trabalho fasem esquecer o discipulo querido do panorama representando a entrada Legal (que felizmente se esta neste momento demolindo)
Toda essa scena porem é de uma friesa glacial, ninguem se move, a propria naturesa nada tem de entereçante, nem mesmo pode faser adivinhar os proprios sentimentos da materia a travez desse grande lençol branco; a scenna passa-se provavelmente em 1600, nada porem o mostra dir se hia hoje estranhando apenas que haja uma figura trajando com um costume parecendo com aquelles dos antigos capitães mor.
Tudo porem como digo a estrada nova que o Almeida mostrou mereceo unnanimes aplausos da commição que num so voto deo-lhe a 1ª medalha, da minha parte teria convocado a ascemb[l]eia, para o premio de honra, mas temendo que fracassace decidimos dar a grande medalha, o que te prejudicou, pois que a primeira medalha veria a ti se elle tivece tido o premio de honra; como sabes, o premio de honra é só conferido por votação de todos os artistas ja premiados.
Não hoverão segundas medalhas, algumas terceiras, e menos menções; as menções para mim as voto com grande rigor pois que sendo a primeira recompensa é preciso que marque a boa direcção. Madruga mandou diversos quadros, cada qual diferente em factura, sentimento e merito, realmente não sei que pensar vendo uma boa paesagem, outra, má, retratos muito inferiores aos que elle ha dois annos mandou, quadros bituminosos, e quadros sem bitume algum, enfim parecendo que os quadros nunca conhecerão o mesmo creador, não ha duvida, é uma grande qualidade mais vale a quem Deos ajuda que sedo Madruga.
Mais para terminar dar-te ei uma boa noticia com um concelho di alta politica, a noticia é que vendestes um dos teos NUS por dois contos, a um tal D. João Martins da Silva, o qual comprou ceis tellas na exposição, é pessoa viajada e riquissima, pois de um proscesso que ganhou lá no Amasonas rendeo-lhe mil e tantos contos, o teo irmão que recebeo os dictos cobres te dará com os cobres por menores do nosso novo messenas; o conselho pois é o seguinte que escrevas ao D. João Martins da Silva, Praia de Botafogo N. 178, Rio de Janeiro, duas palavrinhas, pouco isto te custará e no caso em que te achas, podes ter um … admirador.
Falando de outra cousa, antes que me esqueça, vou pedir-te mais um [?] te vas ao fundidor [?] ver o que ha aproposito do monumento Caxias, e o que houver escreve-me imediatamente porque não sei que pensar não recebemos noticia alguma e como se tenciona breve inaugurar essa estatua estou inquieto em saber alguma cousa.
Não sei se te correspondes com o Lix, em todo o caso, pelas noticias que aqui tenho delle o pessoal vai bem; e aqui na exposição elle foi o que mais quadros vendeo tres quadrinhos feitos la no Mexico muito bonitinhos.
Pois meo caro Visconti savoia.”

24 outubro 1898
Poscrito
Esta carta por descuido do nosso hommem [?] não foi impostada na data que tras, o que deo occasião a eu poder dar-te a noticia da Diana que hoje aqui chegou e me entregou a tua carta a qual esta pode servir de resposta, reservando-me alguns topicos da tua carta para outra minha que não se fará esperar; entretanto estranha-me o teo irmão não te ter ao corrente do que te pode entereçar, é verdade que désde que eo lhe dei uma carta para o D. Martins para que este te comprace um quadro (e que comprou) não o vi mais, que grande tipo.
Avante trabalha e deixa-te de nephelibatismo, arte de estericos e de fineiros ☺não esqueças o teo Velasques e nunca mais em tua vida digas que te arrependes de ter PERDIDO O TEO TEMPO com a quella copia.
Recebe pois, um bom e forte abraço do teo amigo
Henrique Bernardelli
A bolça de viagem quem a obteve na atual exposição foi o Freitas (discipulo meo) vamos a ver se o governo [?] a dar verba.